9 de set de 2013

Dinâmica de criação:



Entrevistar um colega e compor  um personagem com as palavras respondidas pelo colega.


O sonho de Mark Twin - Maria do Carmo Braga Vasconcellos

Começo nossa história com uma frase escrita por ele: "a gente não se liberta de um hábito atirando-o pela janela: é preciso fazê-lo descer a escada, degrau por degrau".

O que me faz lembrar aquele menino que adorava se divertir lendo gibis na biblioteca, naquela pequena cidade do interior. Nessa época não se importava ou não tinha consciência dos problemas e inseguranças que os adultos poderiam ter, para ele improváveis fracassos, pois sentia-se como os seus super heróis, retratados nas revistas com seus desenhos coloridos que seus olhinhos devoraram. O sonho, o desejo de escrever estava latente, como uma semente que se planta e com força germina.

A vida passando, o menino crescendo, convivendo com novas imagens e grandes pessoas, inclusive sua amada esposa, que num momento lúdico, confessou ter dado seus melhores beijos, começo de uma família, um de seus sonhos realizados. Porém, sua ambição em relação aos desejos era muito grande, e continuou sua jornada pela vida em busca do ideal. Estudou e formou-se na Universidade, concluiu pós graduação, Mestrado, especialização e até obras publicadas teve. Isso não fez com que ignorasse a mãe natureza, não deixou de sentir o agradável cheiro de grama molhada ou o forte cheiro de canela, continuou admirando o céu azul, ouvindo músicas que lhes eram sonoras e lhe serviam de companhia nas horas que precisa estar só.  

Quando precisava fugir das exigências da vida, ficava quieto. Refletia sobre os amigos e o quanto eles eram importantes e tantas as formas de afetos que deixou de expressar. 

Hoje com a maturidade que poucos alcançam, postado a olhar a lua, que prateando a tudo e a todos, lhe traz de volta o seu sonho maior: escrever um romance. Por conhecer sua capacidade de transformar sonhos em realizações com seus super heróis dos gibis, ao se libertar, creio em breve ler um romance ou até mesmo uma novela, com um pseudônimo qualquer contando uma história que prenderá a atenção do leitor do início ao final, pois essa história será contada com o coração e na cumplicidade de uma vida.

oficina de literatura - Diego Petrarca - região sul

Nenhum comentário: