31 de out de 2009

CONVITE


CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DAS OFICINAS
DE DANÇA CONTEMPORÂNEA DA PROFESSORA
MARILICE BASTOS NO LANÇAMENTO DA REVISTA DE 40 ANOS DA ESCOLA.
Local: Escola Estadual de Ensino Fundamental Professora Marina Martins de Souza
Endereço: Rua Sarg. Expedicionário Geraldo Santana, s/n, Porto Alegre, RS - Bairro Jardim Bento Gonçalves
Dia: 07 de novembro (sábado)
Horário: Turno da manhã (a partir das 10 horas, início da comemoração)

26 de out de 2009

O ser oficineiro

Muitas vezes a gente se cansa, leva material,
repassa conteúdos,os alunos faltam...
Mas tudo é recompensado em momentos como este.
Quero compartilhar pois isto representa o nosso trabalho.

Renata Poliseni - Comunicação comunitária


20 de out de 2009

Aula de percepção corporal (massagear uns aos outros partes do corpo) - DANÇA CONTEMPORÂNEA

Esta aula teve como principal objetivo ampliar a percepção corporal e desenvolver a capacidade de concentração. Através deste trabalho mais uma vez pude constatar a dificuldade das pessoas para concentrarem-se no próprio corpo, e como podemos ver nas fotos abaixo, desde uma idade precoce.

Comparo este fato com uma "fuga", fuga do encontro com si mesmo. Ao tocar os corpos, percebi a tensão que acompanha a grande maioria, uma espécie de medo da entrega, da soltura, do conforto, do carinho e do amor. Há resistência ao "toque" corporal, ou seja, ao sentir verdadeiramente, percebendo os detalhes, já o "contato" físico acontece seguidamente e muitas vezes com uma conotação agressiva. Constato que nossa "cultura" é por demais repressora, entendemos que ao assumirmos a posição ortostática, assumimos personalidades que subdividem o "eu", fragmentando-o, e como consequência fantasiamos ser super-humanos, logo, imortais.

Estar ao solo, totalmente entregue à ele, comumente há resistência por parte dos alunos e alunas, pois remete aos sentimentos que muitas vezes tornaram-se inconscientes e que indicam o quanto também somos sensíveis e mortais. Ao observar a atividade ser realizada, pude verificar gestos, tensões musculares e vocalizes que naturalmente vinham à tona, os quais me pareciam indicar timidez e querer dizer: tenho que disfarçar, fingir que não estou gostando de receber o toque, tenho que conter meus sentimentos... Mas ao mesmo tempo no decorrer, foi havendo um silêncio, uma paz, olhos começaram a se fechar acompanhando o deleite do corpo ao chão e com isto uma certa confiança teve início a ser gerada, indicando que novos princípios estão próximos, basta estarmos sempre atentos, "percebendo" cada instante da vida, fazendo desta uma eterna dança.

Marilice Bastos -oficineira de Dança Contemporânea

Aula de percepção corporal (massagear uns aos outros) - OFICINEIRA MARILICE BASTOS