18 de jun de 2013

As mocinhas de Botafogo



"Mas eram meninas moças
de pele fresca e macia
o nome ilustre que tinham
de um pai desaparecido
nelas deixara a evidência
de tempos mais bem vividos"

As mocinhas de Botafogo - Jane Rosa

As mocinhas de Botafogo eram na verdade mulheres que acabaram de sair da infância, que fora colorida, para uma adolescência em preto e branco.

A mãe, uma mulher doente que ficara só, não tinha condições financeiras de manter suas meninas, nem ela própria. Viviam de um passado presente e ficavam muito mal. 

Eram jovens de pele fresca e macia, que sonhavam com o amor e um futuro melhor.

Marina, que era mais razão, falava a irmã Marília:
- Poderíamos estudar e trabalhar para ajudar nosso sustento.
Marília, mais sonhadora, dizia:
- Como ? se nem temos o que comer.
- Mas se lutarmos por dias melhores, sairemos dessa situação.
- Quem sabe sair para as ruas a procura de alguém que nos ajude?
- Nos tempos de hoje, as pessoas se preocupam consigo mesmas, não podemos contar com a sorte!
- Então, sairemos a procura de tesouros escondidos pelas ruas e quem sabe encontraremos um príncipe?
- Pare de sonhar, Marília: em nossos caminhos encontraríamos só sapos!
- Então o que sugere?
- Trabalharmos, vamos a procura, alguma coisa iremos encontrar, nem que seja um serviço temporário.
- Ah! eu não teria coragem de suplicar por um trabalho, eu vou a procura de um amor.

E Marina, resignada, ficou a planejar seu futuro com coisas reais e palpáveis, enquanto a sonhadora Marília, a sonhar com seu príncipe.   

Proposta de criação: A partir do fragmento destacado pela oficinanda, do poema Balada das meninas de Botafogo, de Vinícius de Moraes, desenvolver o trecho mudando o percurso da história.
Diego Petrarca – oficina de Literatura

Um comentário:

Anônimo disse...

Lindo texto! Parabéns!! Beijos, Samantha Rosa